Crônica – TRANSFORME A RELACÃO EM ALGO QUE VALHA A PENA, ALÉM DO DIA DOS NAMORADOS!

Compartilhe

Vou ser bem sincera com você, se está em um relacionamento que vai mal, e não quer sair dele, então assuma para si a missão de fazer com que realmente tenha prazerosos e alegres motivos para continuar!

IMG_20150516_152933

Talvez possa pensar ‘como ela diz isso, se não depende só de mim?’

Verdade! Mas, a partir do momento que uma das partes define o que quer, espera e merece em um relacionamento, as ações começam a ser praticada para atingir essa finalidade.

Reclamar, falar mal do parceiro, contar aos quatro cantos sobre a insatisfação a dois só aumenta a raiva.

E raiva quando não usada a favor da solução do problema, através da conversa sincera, serve para duas coisas, dormir de calça jeans e acordar mal humorado.

Então, já que está com a pessoa e os dois não arredam o pé, transforme essa convivência numa agradável experiência.

Se o parceiro não engrena?

Importante ter claro o que você quer de agora em diante, explicar isso a ele, pedir a parceria, e perguntar se está disposto a construir uma nova etapa com mais sabor na relação.

Para sair de um arrocho financeiro a pessoa tem que planejar e executar. Na vida a dois é a mesma fórmula, acrescida da pitada do amor!

Acreditar que onde existe sentimento não pode haver planejamento é o primeiro requisito para o fracasso.

A coisa é muito simples: orgulho, controle, medo, falta de clareza, são os complicadores.

Simples porque quem está junto pelo vínculo afetivo, e não só por questões negociais, deseja desfrutar de alegria, prazer, companheirismo, lealdade, com vinho ou sem vinho.

No começo tudo é motivo para pegar fogo, depois de alguns anos tudo se transforma em motivo para…

Pensou que eu fosse escrever, dormir de costas um para o outro? Enganou-se!

Depois de alguns anos em qualquer relacionamento é você quem dita as regras das próximas etapas. O que você escolhe? Leve com você essa escolha, além do dia dos namorados.

*Crônica escrita pela escritora Selma Arau

Compartilhe

COMENTE SOBRE A MATÉRIA