Mostra em Trânsito do Fronteira Festival leva cinema ao ar livre para o Beco da Codorna em Goiânia

Compartilhe

Hoje, dia 30 de outubro, às 20 horas, a última ação do II Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental em 2015 acontece em Goiânia, no Beco da Codorna, reduto de grafiteiros e artistas visuais que cada vez mais redescobrem o centro da capital. O lugar, que está localizado nos fundos do Cine Goiânia Ouro, recebe o programa de curtas brasileiros contemporâneos da Mostra em Trânsito, atividade do Fronteira que já passou por assentamentos agrários e pela cidade goiana de Crixás neste mês. A sessão é gratuita.

fronteira no beco da codorna foto[7]

O programa da Mostra em Trânsito que o Fronteira traz para Goiânia apresenta uma sessão especial formada por cinco curtas-metragens nacionais independentes, realizados entre 2014 e 2015, de novos diretores brasileiros. A curadoria de Henrique Borela e Rafael Parrode buscou eleger filmes que chamam atenção por modelos de produção audiovisual distintos e que investem em narrativas arriscadas para ir de encontro a belezas que também estão presentes em formas mais simples e alternativas de fazer cinema.

Os filmes provocam, através do cinema, uma reflexão sobre a imagem e seus efeitos. Ameaçados, de Julia Mariano, discute a condição de trabalhadores sem-terra ameaçados de morte no sul do Pará. No filme, a diretora percorre acampamentos, assentamentos e cidades da região que é considerada a mais violenta do Brasil, em busca dos resquícios de uma história de massacres e perseguições no interior do país.

Em  Febre da Madeira, de Daniel Nolasco e Carranca, de Wallace Nogueira e Marcelo Matos de Oliveira,  o que está em jogo é o universo fantasmagórico e mítico das populações tradicionais. Em Carranca a lenda do nego d’água se faz realidade em um diálogo com o universo tradicional da produção artesanal de carrancas por uma família negra do sertão baiano. Já em Febre da Madeira uma vaca é acometida por uma enfermidade misteriosa que a leva a morte.

Premiado em diversos festivais e selecionado para a Quinzena dos Realizadores em Cannes 2015, o curta Quintal, de André Novais, subverte todos os limites das convenções sociais e explora na relação mais afetiva entre os personagens, pai e mãe do diretor, uma liberdade para a encenação e criação do filme.  Na história um casal de idosos experimentam situações extraordinárias no quintal de casa, como secar a roupa na ventania a mais de mais 100km/h, entrar em uma grande portal vaginal e defender uma dissertação de mestrado sobre filmes pornôs americanos.

Por fim o curta Ensaio sobre minha mãe, de Jocimar Dias Jr. encerra essa leva de filmes livres e inventivos. No filme uma mulher – sua mãe – evangélica, empregada doméstica, infeliz no casamento, decide fugir de casa.  Mas antes disso, diante do espelho  demonstra toda sua sexualidade e feminilidade em um momento raro e belo de intimidade consigo mesma, uma espécie de presságio do que virá.

Música

Para completar a comemoração do aniversário da cidade que abriga o Festival nesse fechamento de ciclo, quem encerra a noite ao ar livre no Beco da Codorna é a Dj Pri Loyola.  Após a exibição dos filmes, Pri, que é também produtora cultural, (responsável pela carinhosa logística do Fronteira, inclusive) vai tocar seu set inconfundível de influências da música brasileira, do funk dos anos 70´s , do rock e da música eletrônica.

Colecionadora de discos e pesquisadora musical, Pri movimenta pistas de todo o Brasil desde 2003. Com um repertório inovador, a DJ  possui um estilo ímpar e eclético, e encabeça o simultâneo artístico “Groove Organico”, que circula por importantes eventos no país.

Arte Urbana

O Beco da Codorna é hoje um símbolo da revitalização do centro de Goiânia. Ocupado por quase uma centena de artistas visuais, grafiteiros e até pichadores, o Beco do Cine Ouro, como também é conhecido, é hoje a casa da arte urbana da cidade. O local abriga a sede da Associação dos Grafiteiros de Goiás, na Upoint Galeria de Arte. O pessoal da galeria vai oferecer bebidas, mesas e uma exposição de seu acervo que contempla artistas como Marcelo Peralta, Eduardo Aiog, entre outros. Eles estarão de portas abertas no dia 30 de outubro, durante a sessão da Mostra em Trânsito.

Marcela Borela, uma das diretoras artísticas do Fronteira afirma que essa parceria com o ambiente de arte contemporânea que vai além do cinema é o mais importante. “Existe uma conexão muito forte entre o Fronteira e a cidade, e é por isso que a gente volta ao Beco da Codorna. Simplesmente um dos melhores lugares para sentir Goiânia com liberdade e estímulo a arte. A exibição em 16mm que fizemos em agosto foi emocionante. Os filmes emoldurados pelo grafite dão uma sensação de eternidade”.

O II Fronteira é realizado pela Barroca, co-realizado pela UFG através do FRESTAS – Programa de Artes Integradas (apoio do PROEXT MEC/SESu). Tem apoio institucional do Governo de Goiás, Secretaria da Educação, Cultura e Esporte de Goiás através da Lei Goyazes. Conta com a parceria da Prefeitura de Goiânia, da Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia, do Centro Cultural Goiânia Ouro, do Sesc Centro e do Cine Cultura – sala Eduardo Benfica. Tem também apoio da Cinemateca da Embaixada da França, do Institut Français e a colaboração da Balaio Produções Culturais.

Programação:

30/10/ 2015 

Local: BECO DA CORDORNA (GOIÂNIA) – ATRÁS DO CENTRO MUNICIPAL DE CULTURA GOIÂNIA OURO

FILMES:Ameaçados, Julia Mariano
                Febre da Madeira, Danile Nolasco

                Carranca, Wallace Nogueira e Marcelo Matos de Oliveira

                Quintal, André Novais

                Ensaio Sobre Minha Mãe, Joscimar Jr.
Discotecagem com DJ Pri Loyola

Exposição Arte Urbana no Beco – Upoint

Serviço:

II Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentári e Experimental

Mostra em Trânsito
Dia 30 de outubro (sexta-feira) às 20h

Local: Beco da Codorna (nos fundos do Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro, que fica na rua 03, esquina com a rua 09, no Centro).

Compartilhe

COMENTE SOBRE A MATÉRIA