ENTREVISTA – Diretor inglês Doug Clayton fala sobre Fashion Film e o mundo da moda

Compartilhe

Do Portal Betioli, por Daniele Flöter

Tecnologia, moda, imagem. Quando pensamos em tendências, todas estas áreas parecem interligadas. E quando unimos os três segmentos em um só? É ai que surge o Fashion Film, que tem gradativamente substituído os lookbooks. Esta nova forma de apresentação de marcas promete se tornar uma grande tendência no mundo da moda, segundo o Diretor inglês Doug Clayton, que é um dos pioneiros da técnica que trasmite novos modelitos através de curta-metragens.

Captura de Tela 2015-05-12 às 12.25.44

Em entrevista ao Portal Betioli, o diretor com alma carioca falou sobre a técnica e também sobre o workshop “Rio – Fashion Film”, que vai ministrar nos dias 15 e 16 de maio, no Rio de Janeiro. Formado em Cinema pela UEA (Universidade de East Anglia) na Inglaterra, ele é considerado um dos expoentes do mercado de fashion filmes. Atualmente é diretor da Filme Ibiza, braço cinematográfico da Rádio Ibiza. Já desenvolveu filmes para marcas como Animale, Via Mia, Foxton, Farm e Andarella. Em 2013, firmou uma parceria com a Cantão, onde realizou todos os filmes da marca até 2014. Também em 2014 dirigiu duas séries para o Canal Off, além de diversos comerciais, dentre eles um para a Mercatto, que foi veiculado na Globo, e dois para a Cantão, veiculados no GNT.

Como surgiu a ideia de trocar os lookbooks por Fashion Films?

Doug Clayton “Os lookbooks continuam sendo feitos. O grande diferencial e a maior preferência pelo Fashion Film é que este produto consegue de forma efetiva transparecer o conceito da marca. Isso faz dele uma tendência.”

Qual foi o seu primeiro trabalho realizado?

Doug Clayton “Nossa primeira produção foi para a Addict, em 2007/2008. A repercussão foi maravilhosa. Apresentamos um projeto pouco conhecido na época, já que não existia Youtube ainda – foi antes do vídeo ter um peso forte na internet. Ainda não existia controle de views, por isso não temos como apresentar números, mas uma prova que o formato deu certo é a tendência em si. O mercado foi na nossa direção.”

Por que você considera a técnica como uma tendência de mercado? Há influência das redes sociais?

Doug Clayton “Toda marca de moda trabalha uma coleção, existe um história, uma pesquisa. Isso tudo reflete no produto. O filme traduz esse interesse. É uma leitura do conceito da coleção; é uma visão autoral, uma junção da visão da diretora de estilo com diretor do filme. Uma leitura mútua do conceito da coleção. As redes sociais têm uma influência gigantesca. Graças às redes sociais que vieram antes, as marcas começaram a se comunicar. E duas características foram importantíssimas: velocidade (banda larga) e câmeras de qualidade digital acessíveis.”

A gravação/edição é feita com alguma tecnologia ou método inovador?

Doug Clayton “Depende. Cada filme exige uma certa técnica ou equipamento. Com um iPhone é possível fazer um bom filme. No entanto, a ideia é o mais importante, é o item mais valorizado, independente da tecnologia. Realmente, hoje é muito mais fácil fazer filme. Há 13 anos, nós tínhamos que fazer com película, mas tendo o equipamento mais moderno e apropriado, o resultado é bem melhor.”

Você assina a web-serie da Richards. Como foi desenvolvida?

Doug Clayton “A web-série foi desenvolvida para trabalhar especificamente a linha de produtos para quem curte e utiliza bicicleta no dia a dia. Cinco embaixadores com este perfil e que têm a ver com o DNA da marca foram selecionados e convidados. Cada um contou um pouquinho da história deles, falando sobre sua experiência com a mobilidade urbana. Cada filme foi desenvolvido de acordo com a personalidade de cada um. São apenas cinco episódios para este tema.”

Os embaixadores da Richards são: Pedro Salomão, sócio da filme Ibiza e fundador da Rádio Ibiza; Lilian Pieroni, ex top model e criadora do site cariocadna.com;  Alice Autran, jornalista de moda do O Globo; Daniel Gorin, gerente do Arpoador e Ipanema Inn; e Tiago Petrick, fundador do Rio Etc.

Vamos falar sobre o workshop “Rio – Fashion Film”, quem pode participar?

Doug Clayton “(O Workshop) é ideal para estudantes ou profissionais que trabalhem com filme, moda, design e áreas correlatas. O importante é o espaço para debate de conceitos e apresentação de pontos de vista. Outra perspectiva muito interessante é a acadêmica. Não existe material acadêmico sobre Fashion Film.”

O “Rio – Fashion Film” é uma oficina com dois objetivos complementares: apresentar aos participantes os conceitos do Fashion Film e de seu mercado no Brasil; e discutir todo o processo de desenvolvimento de um filme dentro da realidade do mercado de moda nacional. Como atividade prática, os participantes produzirão um Fashion Film a partir de um briefing de uma coleção de moda. Ao final, cada participante compreenderá a importância deste novo meio de divulgação na comunicação de uma coleção de moda.

Serviço

Rio – Fashion Film com Doug Clayton

Duração: 12 horas

Data: 15 e 16 de maio

Horário: 18h às 21h (sexta-feira) e 9h às 18h (sábado)

Local: Ipanema, Rio de Janeiro

Preço: R$ 890,00

Inscrições: http://www.institutoriomoda.com.br/

Compartilhe

COMENTE SOBRE A MATÉRIA