ENTREVISTA – Roberto Ravioli: “O Italiano não come para viver, e sim, vive para comer”

Compartilhe

Do Portal Betioli, por Lucas Cássio

Paixão e uma rica história gastronômica fazem parte da vida de Roberto Ravioli. Ele é um dos maiores chefs do Brasil e é referência quando o assunto se trata da culinária italiana.

Chef Roberto Ravioli (2)[7]

Ainda quando jovem seguiu para o caminho da arquitetura, porém, ao ser convocado para fazer o projeto da pizzaria de seu irmão, envolveu-se tanto com o mundo da gastronomia que teve sua vida encaminhada para a cozinha. Carismático e muito bem humorado, Roberto Ravioli, fala ao Portal Betioli sobre sua carreira como chef e sua paixão pela culinária italiana. 

Como surgiu a vontade de trabalhar com culinária? Teve alguma influência?

Roberto Ravioli - Desde pequeno, todas as conversas familiares eram na cozinha de minha mãe. Lá começamos a paixão pela culinária. Como vocês sabem o Italiano  não come para viver, e sim, vive para comer.

Já pensou em trabalhar em outras áreas?

Roberto Ravioli - Sou arquiteto de formação, até hoje exerço, mas só em meus restaurantes. Penso também em evangelizar. Mas isto é uma conversa para mais tarde.

Sabe dizer a quantidade de pratos que já criou? Como é o processo de criação de novos pratos? Da onde surge inspiração?

Roberto Ravioli - O prato passa pela cabeça quando se vai dormir, olhando uma revista, passeando pela feira, em viagens. Faço a pergunta a mim mesmo: Por que alguém comeria aquilo? Não é apenas porque sua mãe faz um determinado prato que para você é delicioso. Pergunto:  “Será que o público vai gostar?” Às vezes tem que se correr riscos (calculados) . É muito mais fácil gostar de fígado do que formiga! (risos)

Por que optou pela culinária clássica italiana? Qual o diferencial da comida italiana?

Roberto Ravioli - Porque é a que eu mais gosto e me identifico. E também é a que sei fazer melhor. É comida de paixão, da mamma, de conforto (falo no geral). Uma Pizza, uma pasta,  quem (normal) não gosta?

Hoje conta com três restaurantes. Quando decidiu abrir o primeiro restaurante? Existe algum que você tem um apreço especial? Por quê?

Roberto Ravioli - Em 1989, antes do plano Collor. O Empório Ravioli, o que me deu mais emoção, trabalho (físico) e retorno financeiro. O La Madonnina ainda está em fase de compreensão (minha) e o novíssimo Ravioli está em fase de definições e será reaberto no lugar  do antigo Cucina Ravioli.

já participou de programas de TV, preparou pratos para famosos como Luciano Pavariti, pilotos da Fórmula 1 entre tantos outros. O que você acha que isso acrescentou a sua formação como chef?

Roberto Ravioli - Desafio, responsabilidade, respeito e muita visibilidade!

Quais os maiores desafios dos profissionais que trabalham com gastronomia?

Roberto Ravioli - Superar o ego, fazer muita pesquisa.

Existe algum segredo para cozinhar bem?

Roberto Ravioli - Respeito pelo cliente, por quem vai comer a sua comida…

Como especialista da culinária italiana, de que forma você vê a culinária brasileira?

Roberto Ravioli - Em um progresso sem retorno, grandes nomes surgirão, como jogadores de futebol e pilotos! Criativa e com grande potencial de descobertas por conta da nossa diversidade de nossos  produtos.

Hoje, dia 11 de junho, no mais novo Shopping Gastronômico Eataly, em São Paulo, dentro do calendário didático mensal Aprender & Desfrutar, Roberto Raviolli apresentará o prato Raviolone D´Oro – Raviolone de ricota de búfala, espinafre e ovo caipira mole, em cama de creme de parmesão e azeite de tartufo nero di Norcia.

Raviolone D´Oro-chef Ravioli[12]

As aulas acontecerão nos horário das 18h às 19h30 e das 20h às 21h30. Mais detalhes e inscrições diretamente no Shopping Eataly.

Compartilhe

COMENTE SOBRE A MATÉRIA